Caminhoneiros: Diesel mais caro torna greve inevitável

Líder de caminhoneiros, Wallace Landim, conhecido como Chorão, teve responsabilidade direta na polêmica intervenção do presidente Jair Bolsonaro junto à Petrobras para segurar o preço do diesel na última quinta-feira (11).

Assim que soube do aumento previsto de 5,7% no combustível, Landim entrou em contato com ministros que alertaram o presidente. A Petrobras, que é uma empresa pública de capital aberto, recuou. Bolsonaro foi criticado e comparado à ex-presidente Dilma Rousseff (PT), por intervir na estatal para segurar preços. Para Chorão, no entanto, a decisão do presidente foi acertada.

“Estão dizendo [que a Petrobras] ‘perdeu R$ 32 bilhões’, mas não é isso. Perdeu não, deixou de ganhar. Então quer dizer, o cara que está ali é um investidor, ele deixou de ganhar. O presidente, no meu ponto de vista, tomou o posicionamento certo porque ele olhou para quem realmente está trabalhando e está sufocado”, disse, em entrevista ao HuffPost.

Para muitos, Bolsonaro se colocou, com a decisão da última semana, na posição de refém dos caminhoneiros.

Landim reconhece que uma nova sinalização de aumento do preço do combustível ainda pode, sim, gerar uma greve como a de 2018.

“Estamos sufocados. Vem um aumento desse, o pessoal fica tudo em crise e não tem como segurar [uma greve]”, disse o líder dos caminhoneiros, que tentou uma vaga na Câmara dos Deputados 5 meses após a greve, mas não se elegeu. Segundo ele, o presidente “tem que fazer uns condicionamentos”.

Em maio do ano passado, o País ficou paralisado por 11 dias. O desabastecimento gerou inúmeros transtornos ao País. Além de combustível, faltaram alimentos em supermercados, remédios em hospitais e houve impacto até sobre o tráfego aéreo.

No sábado (13), o ministro Paulo Guedes, da Economia, repreendeu a atitude de Bolsonaro. “O presidente já disse para vocês que ele não era um especialista em economia. Então é possível que alguma coisa tenha acontecido. (…) Ele, ao mesmo tempo, é preocupado com efeitos políticos, estavam falando em greve dos caminhoneiros, então é possível que ele esteja lá tentando manobrar com isso”, disse, segundo o MSN.

Leia abaixo trechos da entrevista.

HuffPost Brasil: Afinal, o que aconteceu na semana passada em relação ao aumento do diesel?

Wallace Landim: Há 30 dias, mais ou menos, eu estive em reunião na Casa Civil com o ministro Onyx [Lorezoni] e a gente pontuou algumas ações que resolvem o problema da categoria: um piso mínimo de frete, a questão do diesel – que estava subindo todo dia, a gente pediu para subir pelo menos uma vez por mês, e o governo sinalizou por 15 dias. [O governo] decidiu a questão do cartão [caminhoneiro, que permite antecipação da compra de combustível a um preço fixo].

Não acho ruim, mas não resolve a situação 100%. Aí a gente ficou tranquilo. Na quinta-feira retrasada, eu estive com o ministro Tarcísio [Freitas, da Infraestrutura]. Na conversa, ele disse para eu ficar tranquilo em relação ao aumento do diesel. E nós ficamos tranquilos.

Aí na quinta-feira (11) à tarde ficamos surpresos com o [anúncio do] aumento de 5,7%, um aumento expressivo. Na mesma hora, a gente mandou mensagem para o ministro Onyx, para o pessoal da Casa Civil, começamos a articular e ver o que estava acontecendo.

Quero agradecer ao ministro Onyx e ao Floriano Peixoto [Secretaria-Geral], que levaram nossa demanda ao presidente, e ele tomou essa decisão. Só queria entender de onde eles tiraram esse 5,7%. A gente quer a mesma coisa que o presidente fala, um preço justo no diesel. Querendo ou não, nós somos os maiores consumidores, estamos querendo trabalhar.

O preço já vinha subindo, mas de forma espaçada, é isso?

Estava subindo quase todo dia. A gente conversou para ter um aumento pelo menos mensal. Então, qual flexibilidade que teve? Nenhuma.

O presidente recebeu muitas críticas pela intervenção na Petrobras e foi comparado ao governo da ex-presidente Dilma Rousseff. Se ele deixar de regular o preço, há possibilidade de uma nova greve?

Estão dizendo [que a Petrobras] “perdeu R$ 32 bilhões”, mas não é isso. Perdeu não, deixou de ganhar. Então quer dizer: o cara que está ali é um investidor, ele deixou de ganhar. O presidente, no meu ponto de vista, tomou o posicionamento certo porque ele olhou para quem realmente está trabalhando e está sufocado. Por isso, estou apoiando o governo Bolsonaro.

Nunca tivemos a porta aberta como temos hoje. Sobre paralisação e greve, isso é decorrente do que a gente está vivendo hoje. É preciso um piso mínimo de frete, que não está sendo vigorado. Os empresários falam que pagam o mínimo, a gente tem um atravessador no meio, que são as transportadoras e sublocam o caminhoneiro, que já não recebe o piso mínimo.

Quer dizer, estamos sufocados. Vem um aumento desse, o pessoal fica tudo em crise e não tem como segurar [a greve]. O presidente Jair Bolsonaro tem que fazer uns condicionamentos.

Em um dos vídeos do novo ministro da Educação, Abraham Weintraub, ele afirma que, na greve dos caminhoneiros, o Brasil viveu sua ‘Venezuela Week’. Como o senhor vê parte do governo encarar os caminhoneiros como uma espécie de ameaça?

Acho que a questão é a seguinte: a gente está no meio do caos, como a Venezuela está. Nós, categoria autônoma, estamos massacrados, estamos no limite, não estamos conseguindo trabalhar. O agronegócio, a CNI [Confederação Nacional da Indústria], que é a indústria, as transportadoras têm um modelo de negociação que nós não temos. Essa balança está desequilibrada, temos que equilibrar.

O ‘agro’ é o maior PIB do País e nós participamos desse maior PIB do País. Há isenção para o pessoal do agro e nada para nós.

O governo diz que vai ter isenção de ICMS para o pessoal da agricultura. Eles podem? E a gente não pode ter redução no preço do combustível que a gente usa para trabalhar?

Eles podem comprar caminhão a 0,25% e nós temos que comprar com taxa de juros de 3%. Essa balança está muito desequilibrada e eu vou lutar para a gente equilibra-la. Vou lutar para que essa balança seja equilibrada para que a gente possa ter esse mesmo modelo de negociação.

O que poderia ser feito para melhorar as condições de trabalho dos caminhoneiros?

[Ter] piso de frete como lei e em vigor, [ter] um gatilho de 10% tanto acima quanto abaixo para ser feito o reajuste da planilha. A gente quer um custo mínimo e aí cada um que faça sua negociação. Mas pelo menos o custo [mínimo], a gente quer. É o nosso salário mínimo. A gente não tem esse poder de negociação. Dentro de uma lei, a gente tem. O lado mais fraco sempre é penalizado, a gente tem que equilibrar essa balança.

15/04/2019

(Visited 4 times, 1 visits today)