Daniela Mercury processa deputado após polêmica com causa LGBT

Daniela Mercury entrou com uma ação penal contra o deputado federal eleito Sargento Isidorio (Avante/BA) por conta de um vídeo gravado pelo próprio, em julho deste ano.

As imagens foram feitas logo após a cantora se manifestar publicamente contra o cancelamento de uma peça teatral de uma atriz transexual que seria realizada no Festival de Garanhuns, em Pernambuco, informa o MSN.

“A assessoria jurídica criminal da cantora Daniela Mercury, comandada pelo criminalista Ricardo Sidi, entrou com uma ação penal contra o deputado Sargento Isidorio por conta de um vídeo gravado por ele com afirmações falsas e agressões absurdas à artista, que também é embaixadora do Unicef há 23 anos e embaixadora da ONU no mundo para causas LGBTS. O deputado fez o vídeo depois que Daniela se manifestou, no Festival de Inverno de Garanhuns (em 21/07/2018), contra a censura da peça teatral interpretada por uma atriz trans, que seria apresentada naquele festival e foi cancelada”, informa a assessoria jurídica.

“Daniela, durante seu show, fez um longo discurso contra a censura da arte e pela liberdade de expressão, criticando a decisão de cortar da programação a peça que teria uma atriz trans interpretando Jesus. Em nenhum momento do seu discurso, Daniela agride qualquer religião. Daniela também NÃO xinga Jesus. Daniela NÃO diz que Jesus é gay. Daniela NÃO diz que Jesus é travesti. Daniela apenas defende o direito de qualquer artista de interpretar quem quer que seja sem ser censurado, garantindo assim o cumprimento do que está na nossa Constituição. A partir do vídeo do Deputado, onde há claramente o crime de injúria, com aumento de pena por ter se utilizado de meio que facilitou a propagação da ofensa (a internet), outras centenas de milhares de fake news envolvendo Daniela surgiram e até hoje são motivo de agressão à artista nas redes sociais, com ameaças de cancelamento de shows e pedidos de explicação à produção da artista. Agora, o caso e o nosso desejo de justiça estão nas mãos da juíza Regina Maria Couto de Cerqueira e da promotora Izabel Cristina Vitória Santos”, completa os representantes, em nota.

07/11/2018

(Visited 4 times, 1 visits today)